sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Entrevista: Alice Alves

Alice Alves, uma das repórteres do programa da TVI «Câmara Exclusiva», assume-se apaixonada pelo quarto canal e ambiciona ter um programa ou uma rubrica de viagens. Hoje é a protagonista desta entrevista no SobreTudo.

1. Quem é a Alice Alves?
Uma repórter que achava que ia ser dentista. Uma tia babada com 4 sobrinhos lindos. A filha dos melhores pais do mundo. A irmã de 3 pessoas maravilhosas. Uma apaixonada pela TVI, a empresa que acreditou em mim desde o primeiro dia de estágio.

2. Como nasceu a sua paixão pela televisão?
Desde muito nova. Lembro-me de ter 3/4 anos, acordar muito cedo e de estar sentada no sofá ao lado do meu irmão Diogo à espera que os canais abrissem a emissão para vermos os desenhos animados e a programação infantil. De lá para cá foi uma roda viva de possíveis profissões mas acho que quanto mais conheço 'a televisão' mais gosto dela.

3. Como foi o seu primeiro dia na TVI?
Já lá vão uns aninhos... Foi um dia muito feliz. Receberam-me todos muito bem! Começou com uma entrevista que a Gabriela Sobral me fez. Fui colocada no programa «Notícias das Estrelas» da TVI24 e fui logo acompanhar o jornalista Vítor Dinis em reportagem. Era a apresentação à imprensa de uma novela da altura. Foi um dia intenso que relembro com muito carinho.

4. Atualmente, a Alice é repórter do programa «Câmara Exclusiva». Que balanço faz deste projeto na TVI Ficção?
Um balanço muito positivo. O público da TVI Ficção gosta verdadeiramente de ficção e por isso adora espreitar os bastidores. No «Câmara Exclusiva» isso é possível! Vê-se muito do que se passa por detrás das câmaras. Na minha opinião, este programa fazia falta e correu tão bem que deu o salto para a TVI.

5. Qual foi a reportagem que mais gostou de fazer para o «Câmara Exclusiva»?

Muitas... Não consigo eleger apenas uma. Adorei a entrevista que fiz para a TVI Ficção com a Rita Pereira. Foi uma conversa muito especial. Depois, todas as reportagens mais energéticas, de brincadeira. Lembro-me de um evento em que a Paula Neves e a Ana Brito e Cunha me sujaram a cara com chocolate. Rimos imenso as três. Houve um vox pop de Halloween em que fui para a rua assustar as pessoas e quando reparei uma delas era minha prima. Foi muito divertido... Sempre que me lembro destas reportagens fico com um sorriso gigante. Outra que me faz sempre sorrir é a do lançamento do primeiro número da revista Cristina. Foi em Lisboa, a Cristina Ferreira estava linda e a conversa foi no mínimo inspiradora. Todas estas reportagens só foram possíveis graças ao empenho e dedicação de toda a nossa equipa. Somos muito unidos e só assim faz sentido! Desde o nosso genial editor de conteúdos, passando pelo nosso grande editor de imagem, pela incansável produção, repórteres, apresentadores, diretores. Somos muito unidos e por isso sou muito feliz a trabalhar aqui no «Câmara Exclusiva».

6. A Alice também foi apresentadora do programa «Dança com as Estrelas - Bastidores». Recorde-nos esse projeto.
Adorava fazer os programas de bastidores! Todos eles! Eram uma maratona muito gratificante. O «Dança com as Estrelas» é um formato que eu adoro é muito transversal. É visto por miúdos e graúdos e assim eram os bastidores também, claro que, a uma escala mais reduzida. Lembro-me de um momento muito divertido em que o Bruno Cabrerizo me tentava ensinar uma parte da coreografia mas eu danço tão mal que ele desistiu. Ficou tudo a rir... Eu, ele, o operador de imagem e toda a gente que estava à nossa volta.

7. Quais são as suas ambições para o seu futuro na televisão?
Em televisão sinto que ainda tenho muito para fazer e para aprender também. Gosto de fazer coisas diferentes e divertidas. Por isso, os desafios que vierem são bem-vindos. Adorava ter um programa ou uma rubrica de viagens. Tenho vindo a conseguir realizar isso no «Câmara Exclusiva». O que é muito bom! Gostava também de fazer mais diretos. Estar em direto é ótimo. A concentração é outra. Gosto muito! Tudo muda, acho que até o meu registo muda.

8. A Alice diz que é «apaixonada pela TVI». Porquê?
Porque foi a empresa que me acolheu de braços abertos e nunca mais me deixou partir... Lançam-me constantemente novos desafios a que vou respondendo com muito gosto e muito empenho. Para além disso adoro a ficção da TVI e a programação familiar.

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

«A Tua Cara Não Me É Estranha 4» perde um dos jurados

Conforme noticiado, o programa «A Tua Cara Não Me É Estranha» vai regressar à antena da TVI para uma nova edição conduzida por Cristina Ferreira e Manuel Luís Goucha.
Na sua página de Facebook, António Sala anunciou que não vai integrar o painel de jurados do talent show: «Fui pessoalmente informado pela produtora Endemol, que a TVI pretende dar um novo formato ao Júri do programa "A Tua Cara não me é Estranha" que regressará em breve, não contando para tal com a minha presença, ficando apenas com os outros três elementos do Júri», escreveu, considerando uma decisão «absolutamente normal»: «Em tudo a vida é feita de mudança e especialmente nestas profissões».
Uma fonte disse à revista TV Mais que «Houve uma ou duas vezes que ele não se referiu de forma muito abonatória em relação à TVI», mas outra fonte avança «questões monetárias» como motivo do seu afastamento.

Carlos Costa lança videoclip de «Survive»

Depois do sucesso de «Tequila», o cantor Carlos Costa lançou, esta quarta-feira, o videoclip da sua nova música «Survive», que conta com a participação do futebolista Gonçalo Quinaz.
Até ao momento, o vídeo da música já conta com mais de 29 mil visualizações.

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Concorrente da «Casa dos Segredos 6» confronta Teresa Guilherme em direto

No final da gala deste domingo, dia 25 de setembro, da «Casa dos Segredos 6», a concorrente Helena demonstrou o seu desagrado pela sua higiene pessoal ter sido alvo de comentários durante o direto e confrontou a apresentadora de televisão Teresa Guilherme.
A rainha dos reality shows disse à jovem que se tratou apenas de uma «brincadeira», no entanto, Helena, não gostou. «Olhe, e eu fico tão preocupada», respondeu Teresa Guilherme, em tom irónico.

domingo, 25 de setembro de 2016

«A Tua Cara Não Me É Estranha» regressa à TVI

Três anos depois da última edição, a TVI prepara-se para voltar a apostar no programa «A Tua Cara Não Me É Estranha», que mantém a apresentação de Cristina Ferreira e Manuel Luís Goucha.
Segundo divulga a Área Comercial do canal, o formato, que desafia vários famosos a transformarem-se num ícone da música nacional ou internacional, regressa no primeiro trimestre do próximo ano, com transmissão nas noites de domingo.
Com muitas surpresas e grandes desafios, «A Tua Cara Não Me É Estranha 4» vai contar com 13 galas.

Catarina Sikiniotis é a nova apresentadora do «Fama Show»

Após a saída de Luísa Barbosa, a equipa de apresentadoras do «Fama Show» recebe um novo reforço. Catarina Sikiniotis foi a escolhida da SIC para conduzir o magazine das tardes de domingo. A revelação aconteceu na emissão desta tarde.
Com 21 anos de idade, Catarina Sikiniotis é conhecida por ter sido eleita Miss República Portuguesa 2013. Filha de pai grego e mãe portuguesa, a jovem encontra-se no último ano do curso de Direito na Faculdade de Direito da Universidade Católica, mas estreia-se agora em televisão.
Carolina Loureiro, Carolina Patrocínio, Cláudia Borges e Iva Lamarão mantêm-se como apresentadoras do «Fama Show».

domingo, 18 de setembro de 2016

Especial: «Jura» - 10 anos

18 de setembro de 2006. A SIC estreava, pelas 22 horas, a sua nova aposta na ficção nacional: «Jura». Dez anos depois, o SobreTudo recorda a telenovela e disponibiliza entrevista com dois atores do elenco.

Sinopse:
«Jura» é a história de um grupo de amigos. Quatro casais: Paulo (Ricardo Pereira) e Simone (Patrícia Tavares); Nuno (João Cabral) e Letícia (Ana Rocha); Bárbara (Ana Brito e Cunha) e André (Rui Melo); Fernando (Pêpê Rapazote) e Diana (Carla Chambel). E também de Telma (Alda Gomes), a solteirona do grupo. Quatro histórias de pessoas que viveram os vinte ao máximo e que lutam agora para sobreviver aos trinta.

Personagens principais:
  • Simone (Patrícia Tavares) - Simone tem uma vida perfeita. Um homem que a ama, uma criança maravilhosa, uma bela casa, um óptimo emprego e um nível de vida confortável, mas não é feliz. A rotina diária, as obrigações, o casamento e tudo o resto entra em curto-circuito à medida que se aproxima o dia do nono ano de casamento. Está com uma prematura crise da meia-idade e quer uma mudança radical na sua vida, sentindo que ainda vai a tempo.
  • Paulo (Ricardo Pereira) - Paulo é um dos donos de um sofisticado restaurante de comida de fusão e é um idealista em todos os sentidos. Contudo, a sua mulher Simone decide deixá-lo e, de um dia para o outro, deixa de ser feliz para se ver só com o seu filho ainda jovem e um casamento de nove anos completamente desfeito. Será ele capaz de ultrapassar esta crise e de prosseguir com a sua vida?
  • Bruno (Marco Costa) - Bruno trabalha com Simone no hospital e passa horas a olhar e a fantasiar sobre ela. Bruno não sabe muito sobre o amor, mas sabe como ser um amante. Quais são as fantasias que lhe passam pela cabeça? Será ele o tal que há-de oferecer a Simone a vertigem que ela procura?
  • Glória (Ana Bola) - Glória é a mãe de Simone e é uma enfermeira que cuida de doentes terminais. Está apostada em convencer a sua filha de que o seu casamento merece uma segunda oportunidade. Haverá mesmo segundas oportunidades para os casamentos falhados? Haverá, de facto, uma cura para o amor perdido?
  • Joaquim (Rogério Samora) - Joaquim é um famoso curador de arte com fama a nível internacional. Há 10 anos foi professor de Diana quando esta tirava o curso de História de Arte. Nessa altura, tiveram um romance, mas Joaquim saiu do país e Diana não o via desde essa altura. A vida vai voltar a pô-los cara a cara. Diana encontra-se num momento de particular fragilidade e Joaquim vem preencher um vazio que ela encontrou na sua vida. Joaquim é uma pessoa muito descomplexada e desapegada. Gosta de pessoas interessantes e as suas viagens pelo mundo abriram-lhe os horizontes para culturas e modos de estar que o colocam um nível acima do comum dos mortais. Tem dinheiro e está habituado ao melhor. Não é muito afetado, mas tem uma educação que por vezes o faz parecer arrogante.
  • Fernando (Pêpê Rapazote) - Fernando é dono de uma pequena mas importante agência de seguros. Casado com Diana, pensa que as pessoas devem viver o momento. Ele tem casos com mulheres, umas atrás das outras, sem sequer impor limites, embora declare estar completamente apaixonado pela mulher. Pouco a pouco ficará insatisfeito com a sua vida. Talvez a vertigem que sente com a sua vida cheia de encontros passageiros não seja senão o reflexo de um vazio que não está preparado para aceitar.
  • Diana (Carla Chambel) - Loucamente apaixonada pelo seu marido, ela teve que pôr um fim aos contínuos casos dele. Isto tornou-a numa mulher ciumenta e obsessiva até ao ponto de espiar os telefonemas do marido, os papéis e os encontros. Chegou mesmo a envolver os seus amigos numa discussão. Brevemente a sua vida conhecerá uma mudança dramática.
  • Telma (Alda Gomes) - Telma é uma solteirona incurável. Apesar dos seus enormes esforços para encontrar um companheiro, parece nunca sair-se bem. É maître no restaurante de Paulo, e embora seja muito charmosa, precisa de alguém com quem partilhar a vida. Durante muitos anos, e por várias vezes, Telma foi a amante de Fernando, apesar de ela ser a melhor amiga de Diana.
  • Letícia (Ana Rocha) - Letícia é a perfeita dona de casa. Sensível, atraente e bem-educada, preocupa-se com os mais pequenos detalhes da sua casa. Apesar disso, em breve procurará no álcool um escape pela falta de afeto que o marido Nuno tem por ela. Por outro lado, a sua amizade íntima com Fausto, o chefe responsável do restaurante, tornar-se-á um meio de se revoltar contra a ordem imposta pelo marido.
  • Nuno (João Cabral) - Nuno é um advogado de sucesso. É o clássico workaholic, bastante tímido em questões do coração, mas bastante agressivo quando se trata da sua carreira. Tenso, tradicional, conservador, homofóbico e profundamente vaidoso, a família e a carreira são a fonte do seu orgulho. No entanto, o stress em que vive e o incipiente alcoolismo da mulher transformá-lo-ão num homem solitário, inseguro e paranóico.
  • André (Rui Melo) - André está completamente apaixonado pela mulher, Bárbara, e ambos têm uma filha de nome Leonor. Nunca conseguiu assegurar uma estabilidade económica porque tende a gastar mais do que ganha. É administrador do restaurante Fusão, mas a sua má gestão financeira leva-o a um terrível golpe: precisa de repor - sem o conhecimento dos amigos (todos pensam que tudo vai bem com o negócio)- uma considerável soma de dinheiro.
  • Bárbara (Ana Brito e Cunha) - Bárbara é uma advogada de sucesso e sócia de uma afirma prestigiada. É prática, autoritária, exigente e totalmente absorvida pela carreira. Tornou-se mãe recentemente e tem lutado para se ver bela de novo de modo a poder dar livre curso ao seu erotismo. O casamento com André é satisfatório, mas tem mantido um insignificante caso extra matrimonial com Fernando. No entanto, a sua vida ficará de pernas para o ar quando descobre que o seu marido tem uma dívida de milhões com os sócios do restaurante.
  • Marta (Rita Viegas) - Marta veio para Lisboa para estudar teatro e paga as suas aulas trabalhando como empregada no restaurante. Não havia planeado envolver-se com ninguém, mas rapidamente a situação se altera quando o patrão, Paulo, fica sozinho. A sua inesperada excitação desaparecerá assim que se apercebe que Paulo ainda está apaixonado pela ex-mulher, Simone, uma sombra permanente que dificilmente lhe permitirá ser feliz.
  • Fausto (Alexandre Silva) - O novo chefe responsável pelo restaurante é uma pessoa alegre, descontraída e abertamente homossexual. Rapidamente desenvolve uma profunda amizade com Letícia. Isto enraivece Nuno, o marido de Letícia, que é um homofóbico impenitente.
  • Catarina (Cláudia Semedo) - É enfermeira e partilha a casa com Marta. Casará em breve com Bruno, que é também seu colega no hospital, mas estes planos alterar-se-ão quando ele cancela a boda e lhe confessa que está apaixonado por outra mulher. Completamente devastada com a notícia, Catarina decide descobrir a verdadeira identidade da mulher que lhe roubou o único amor da sua vida.
  • Rodrigo (João Tempera) - Rodrigo é audacioso, amante das aventuras e do perigo. A sua vida é um itinerário de constantes viagens, esticando sempre os limites do perigo extremo. Não sabe como lidar com a sua vida amorosa, sobretudo quando se envolveu com Telma. Vai sofrer depois de descobrir a relação paralela que ela tinha há anos com Fernando.

Restante elenco:
  • Ana Padrão - Ana Leopoldina Teles
  • André Maia - Paco
  • João Arrais - Francisco (Kiko) Almeida
  • Luís Gaspar - Iñaki
  • Manuel Castro e Silva - Juiz
  • Raquel Henriques - Laura
  • Rita Lello - Paula
  • Rosa Villa - Dora 
  • Rui Luís Brás - Vasco Miranda
  • Soraia Chaves - Patrícia
  • Susana Arrais - Ágata
  • Suzana Borges - Dra. Mariana Carvalho
  • Teresa Tavares - Rute
  • Vítor de Sousa - Ernesto

Curiosidades:
  • «Jura» é adaptada da telenovela chilena «Los Treinta», exibida pela TVN em 2005.
  • Antes da estreia, a telenovela causou polémica com as suas promoções com cenas para adultos a passarem, inclusive, no intervalo de programas infantis, e foi multada pela Entidade Reguladora para a Comunicação Social (E.R.C.).
  • O ator Amílcar Azenha foi hipótese para o papel de Nuno, mas acabou por ser substituído por João Cabral.
  • A telenovela foi resposta na SIC Mulher em 2010 e na SIC em 2014 e 2016.

Entrevistas
Alexandre da Silva (Fausto) | Carla Chambel (Diana)

 
1. Como surgiu a oportunidade de integrar esta telenovela?
Alexandre da Silva (AS) - Convite da produção e respetivo casting.

Carla Chambel (CC) - Tinha feito uma participação no «Aqui Não Há Quem Viva», produção também da TDN e igualmente para a SIC. Pouco depois surgiu o convite para integrar o elenco. Explicaram-me o conceito arrojado do «Jura». Eu percebi que valia a pena arriscar porque o elenco era de grande qualidade: Patrícia Tavares, Ana Brito e Cunha, Pepê Rapazote, Alda Gomes, Ana Rocha, Rui Melo, Ricardo Pereira e João Cabral. Para um projeto que transpirava intimidade e sensualidade a direção do projeto preferiu escolher atores e isso deu-me uma grande segurança.

2. Recorde-nos a sua personagem.
AS - No início da novela entrei como Fausto, o Chef do restaurante.

CC - A minha personagem era a Diana Ferreira, casada com o Fernando Ferreira (Pêpê Rapazote), um mulherengo indomável que a traía com a melhor amiga (Alda Gomes). Este trio permitiu cenas hilariantes. A Diana era uma mulher fiel, romântica, muito ciumenta mas que não via o que estava mesmo debaixo do nariz.

3. Como foi dar vida a essa personagem?
AS - Como em todos os projetos, ler o texto, dar um pouco de mim e no dia-a-dia vais criando a tua personagem.

CC - Essencialmente foi muito divertido. Adorava fazer as cenas de discussão (a Diana era um bocado histérica!) uma vez atirou as coisas do Fernando pela janela fora. A equipa era muito unida e respeitávamos bastante a exposição que algumas cenas exigiam. Na verdade, senti-me sempre protegida.

4. Já passaram dez anos. Que recordações guarda das gravações?
AS - Para mim foi mais um projeto e um desafio, mas infelizmente não cheguei ao fim do projeto, opções de elenco.

CC - Tal como disse, guardo recordações muito divertidas. Lembro-me de ter ficado muito nervosa a primeira vez que fiz uma cena com a Patrícia Tavares. Ela já era uma referência na televisão. Lembro-me de termos parado vários takes numa cena íntima por causa de uma mosca intrometida! Mas acima de tudo guardo uma memória de grande companheirismo. Estávamos todos mum barco que navegava em águas desconhecidas, não sabíamos como o público iria reagir. Tínhamos receio que a novela fosse vista só como sexo e fomos agradavelmente surpreendidos com reações positivas, uma faixa etária dos 30/40 anos que passaram a ver novela, mas acima de tudo recebemos elogios por se tratar da intimidade dos casais sem tabus.

5. Costuma acompanhar a reposição da telenovela nas madrugadas da SIC [terminada no passado mês]?
AS - Felizmente tenho um bom sono e nas madrugadas costumo dormir! Mas quando calha sim vejo um ou outro momento.

CC - Honestamente não, mas de vez em quando há alguém que me diz que viu e é assim que vou sabendo!

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Entrada de concorrente na «Casa dos Segredos 6» decidida na aplicação interativa

No próximo domingo, Teresa Guilherme e a Voz abrem as portas da «Casa dos Segredos 6» para vinte e um novos concorrentes. No entanto, a entrada de um desses concorrentes vai ser decidida pelos portugueses.
«A estreia em tv é só no domingo, mas o arranque vai ter lugar já este sábado, com a publicação da foto de um potencial concorrente na aplicação do programa. Para conseguir entrar na casa mais famosa do país, este terá de angariar mais de 20 mil votos pela app do Secret Story 6 – Casa dos Segredos», pode ler-se no site oficial.

Entrevista: Catarina Matos

A atriz Catarina Matos fala do seu percurso profissional, dos seus atuais projetos e da sua saída da novela da TVI «A Única Mulher». Hoje é a protagonista desta entrevista no SobreTudo.

1. Quem é a Catarina Matos?
Uma mulher com paixão por todas as Artes e pelas coisas simples - e belas - da vida: pessoas, sorrisos, vidas, culturas, escolhas, viagens, gastronomia, ideais…

2. Como nasceu a sua paixão pela representação?
Pratiquei Dança Clássica, Ginástica de Competição e Formação Musical desde os 3 anos. Fui, desde tenra idade, frequentemente levada a espetáculos – desde Touradas a Concertos de Música Clássica… a Museus, a Igrejas, a Pontes (romanas e outras…), pelo que me foi sendo desenvolvido um imenso gosto pela Cultura e pela Arte, pela exposição, pela relação Público/Obra. Mas o que mais me apaixonou foi a arte que reúne todas as outras: a Música, a Dança, a Estética, a movimentação corporal, a mentalidade, a psicologia, a história, a sociologia… Houve um dia – quando tinha 8 anos e vi o filme «Show Boat» (1951, com Ava Gardner e Howard Keel – Recomendo!), no qual que percebi que «Fazer de Conta», viver várias vidas, incorporar vários seres… podia ser profissão. Aos 8 anos tomei consciência de que queria, devia e podia ser atriz!

3. Iniciou a sua carreira no musical «Annie», em 1983. Que recordações guarda deste espetáculo?
As recordações são as melhores: em primeiro lugar, a idade da estreia - aos 11 anos tudo é marcante; depois, tudo o que aprendi com os grandes profissionais que participaram nesse espetáculo - Nicolau Breyner, o maior ator português que conheci; Rita Ribeiro, José Raposo (um dos mais belos seres humanos que conheço, um enorme amigo, outro grande ator); Maria João Abreu, Noémia Costa (com quem tenho o imenso prazer de estar a fazer o espetáculo «Absolutamente Fabulosos», também com o Luís Aleluia); com o Armando Cortez (que, por grande que é, até tem Teatro com o seu nome). Aprendi muito, diverti-me muito… Também chorei muito quando o cansaço apertava e queria desistir. Mas os pais nunca permitiram, incutindo-me, desde então, a necessidade de levar os compromissos até ao fim. Guardo as melhores recordações do «Annie», bem como de ensinamentos que só compreendi mais tarde e que são, hoje, parte do que sou!

4. Seguiram-se vários trabalhos na televisão, no teatro e no cinema nos anos 80 e 90. Que projetos destaca?
Tenho que destacar «Milongo» (1995) – a história de uma filha de S. Tomense e 'Branco' que, em busca de uma vida melhor, nos anos 50, se apaixona e faz tudo para casar com um branco para vir para o Continente. Para tal faz 'Milongos' (Feitiços) e acaba por conseguir. A série, passada no Canal 2 a horas tardias, ganhou diversos prémios (Nacionais e Internacionais). O maior prémio foi o de descobrir que, em determinadas cenas ou dias, nem sempre a minha intuição permitia fazer o melhor trabalho e me causava inseguranças… o que me levou à ESTC (Escola Superior de Teatro e Cinema) em busca de mais conhecimentos, de mais ferramentas. Tenho também que destacar «Cinzas» (1992-1993), a minha primeira telenovela. Já havia participado em 3 episódios da «Passerelle» (1988), mas a Etelvina foi a personagem que compus do início ao fim da mesma, mais uma vez acompanhada por belíssimos atores (Márcia Breia, Rui Mendes e Julie Sargeant) e dirigida pelo Nicolau Breyner. Outro «pequeno prazer» foi o de dar corpo e alma a uma agente da PJ disfarçada de vidente em «O Último Beijo», já que pude sobrepor várias camadas de Interpretação e 'mentira'. Na verdade, não há trabalho que tenha feito que não me tenha dado imenso prazer: embora nem sempre esteja contente com os resultados e, à distância, pense que os poderia/deveria ter feito de outra forma, melhor, explorado mais «esta e aquela ideia». Todos me deram muito prazer a investigar, compor e executar.

5. Em 2008, a Catarina interpretou Dirce Santos em «A Outra», da TVI. Como foi participar numa das telenovelas mais vistas de sempre e que ainda hoje é recordada?
A Dirce Santos foi uma das minhas apostas mais arriscadas… e uma das que mais prazer me deu construir. A personagem foi-me apresentada com «Angolana, sensível, vidente, maternal». Tenho poucas referências africanas uma vez que nasci, cresci e fui educada num meio sem contacto com qualquer cultura africana –  sou filha de um médico-cirurgião e de uma especialista em Educação, frequentei da Infantil ao 12º ano um colégio privado; no bairro em que vivi não tive nenhum contacto com africanos. As minha referências, para compor esta personagem tal como pedida eram parcas. Toda a minha família é de origem beirã, tanto pelo lado da mãe, como do pai. O bisavô Mattos (branco) foi para Angola plantar café; casou com a bisavó (negra); nasceu o avô Adriano de Matos (mulato e perdeu-se um 'T' por alturas do anterior Acordo Ortográfico). O avô casou com a avó Domingas (negra) e nasceu o pai. O pai conheceu a mãe (branca) na cantina da Cidade Universitária… eu fui o resultado! Com a total confiança de uma imensa equipa de Diretor de Projeto, Direção de Atores, Escritores, Realizadores e Colegas, à imagem das minhas histórias e memórias – férias passadas na Beira Litoral Interior, compus esta personagem apenas com base em tantas mulheres Portuguesas, telúricas, fortes, que conheço. Recordo este trabalho como um (dos poucos, em televisão) em que me foi dada real capacidade criativa, real capacidade de adaptação da personagem à atriz, criando algo de novo (e não igual ao ator, com sempre se vê – sem mérito ou novidade).

6. Sete anos depois, a Catarina aceitou o convite da TVI para participar em «A Única Mulher». Recorde-nos a sua personagem Isaura das Dores.
A Isaurinha das Dores foi a personagem que amei fazer, como todas: uma mulher que perde uma filha na guerra em Angola; vem para Portugal com outra filha e o marido, volta a Angola para investir num resort; perde tudo e volta a Portugal; acredita ter encontrado a filha perdida que teve... Infelizmente, tanta história teve pouco espaço de composição e desenvolvimento da narrativa! Mas soube-me bem explorar a imensa empatia/química que existe no ecrã entre mim e o extraordinário Nuno Homem de Sá (e têm que o ouvir a cantar, é excelente!). Muitas vezes o texto chocava com a mentalidade e cultura do povo angolano (Forte por natureza!). E a Isaurinha apresentava-se, frequentemente, frágil face a situações às quais, pelo que conheço, qualquer mulher africana com a mesma história de vida, seria forte e determinada. Nem sempre são fáceis as incongruências entre a verdade e a ficção. E confesso algumas limitações em interpretar, em televisão (face ao curto espaço de tempo de composição de que dispomos) resignação, aceitação e fraqueza. Tenho pena que o único casal unido e amante da novela tenha sido destruído tão precocemente. Mas ainda com pena pelo parco desenvolvimento dado pelos autores a esta personagem, enche-me de orgulho ter-lhe dado vida.

7. A sua personagem acabou por sair prematuramente da trama. Como reagiu à decisão do canal e ao fim da sua personagem?
É sempre com tristeza que se sai de um projeto, do encontro diário com amigos/colegas que apreciamos, da personagem que compomos. Enquanto atores temos sempre duas posturas: a do Profissional (o que vive disto, como um médico face a uma gripe ou face ao um transplante cardíaco – tem que se fazer!) e a do Artista - também profissional! - (o que acredita numa forma maior de comunicação, de expressão…). Como Profissional (o que vive disto – tal como o médico!) senti-me economicamente lesada com a «morte» da Isaurinha, uma vez que me voltei a ver sem qualquer rendimento ou 'subsídio de desemprego' (chamam-nos «recibos verdes»). É sempre com tristeza que se perde um trabalho, um salário (que nós, atores, também pagamos água, luz, casa, telemóvel…). Mas a decisão da TVI, para a saída desta personagem, foi acertada e sensível (artisticamente – potencialidade e história): fiquei triste, mas estou «artisticamente solidária» com a decisão e crente que novos e mais desafiantes projetos surgirão.

8. Quais são os seus próximos projetos?
Estou, neste momento, a viver uma nova experiência. Após a minha estreia em Teatro Musical, seguido de Revista (no Parque Mayer); de espetáculos no Teatro Aberto, Teatro Nacional D. Maria II; de espetáculos de Performance, de Commedia D’Ell Arte, de Teatro de Rua (e Tese escrita e editada nesta área e na de Improvisação), experimento agora, pela primeira vez,  a Comédia - um género muito difícil e desafiante (com «Absolutamente Fabulosos»). Mantenho também a atividade de continuar a dar aulas de Interpretação: agora é na Primeiro Acto (www.primeiroacto.com), escola de Formação de Atores para Teatro Musical, representante da Trinity em Portugal. «Espevitar», a cada dia, a criatividade de cada aluno, refletir sobre ela, sobre a aplicação de regras e métodos… é uma experiência que me enriquece tal como interpretar 20 personagens num mês. Esgota-me, mas enche-me de experiências.

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

David Carreira vai processar a revista TV7 Dias

Os cantores e irmãos David e Mickael Carreira são a capa desta semana da revista TV7 Dias, devido às alegadas exigências de ambos nos seus concertos aos fãs, nomeadamente, pagar por uma dedicatória ou proibir de tirar uma fotografia com a sua própria máquina.
Nas redes sociais, David Carreira publicou um vídeo de reação à polémica e anunciou: «Quero dizer publicamente que a partir de hoje [ontem, dia 7], a Regi-Concerto, que me representa, em meu nome, vai entrar em processo contra a TV7 Dias, por causa disso».
«Todo o montante que resultar desse processo vai diretamente para a Make-a-Wish, que é a instituição que acompanho já há muitos anos», disse.

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

Apresentadora da TVI desmaia em direto

Na madrugada desta quarta-feira, a apresentadora de televisão Érica Cardoso desmaiou durante o programa «Super Quiz», transmitido em direto na TVI.
Perante esta situação, a emissão foi interrompida para intervalo e regressou alguns minutos depois. O momento viralizou nas redes sociais, chegando a ser um dos assuntos mais comentados no Twitter.

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Concorrente do «MasterChef Júnior Portugal» convidado para participar em filme

Pedro Jorge, o concorrente do «MasterChef Júnior Portugal» que conquistou Portugal, pode estrear-se na representação.
Em declarações à revista TV 7 Dias, a mãe do jovem revelou que «Ele foi convidado para fazer um filme que vai ser rodado em Loulé», tendo-lhe sido prometido «um papel principal».
O convite para o filme deixou Pedro Jorge «muito entusiasmado», no entanto, a sua presença ainda não está garantida.

domingo, 4 de setembro de 2016

Mickael Carreira lança novo single

«Fácil» é o nome do novo single do cantor Mickael Carreira, que vai integrar o seu novo álbum de originais.
Produzido por Jowan e Rolo e realizado por João Pedro Moreira, o videoclip, lançado na passada sexta-feira, dia 2 de setembro, já conta com mais de 58 mil visualizações.

Especial: «As Lições do Tonecas» - 20 anos

4 de setembro de 1996. A RTP1 estreava, em horário nobre, a sua nova aposta na ficção nacional: «As Lições do Tonecas». Vinte anos depois, o SobreTudo recorda a série de humor e disponibiliza uma entrevista com o protagonista, o ator Luís Aleluia.

Sinopse:
«As Lições do Tonecas» mostra as traquinices do Tonecas (Luís Aleluia) que deixam o professor (Morais e Castro) de cabelos em pé. Em cada episódio é abordado um tema diferente, enquadrado na realidade presente, contando sempre com a presença de um convidado.

Elenco:

  • Tonecas (Luís Aleluia) - É um jovem traquinas com bom coração, esperto e ladino. É aquilo a que se costuma chamar um 'bom rapaz'. É, contudo, um cábula militante e assumido: odeia estudar e prefere o futebol, o cinema e a televisão à escola.
  • Professor (Morais e Castro) - Possuidor de uma paciência sem limites, não desiste de lutar contra a ignorância do Tonecas, o que por vezes o leva à beira da apoplexia.
  • Pai (Rui Luís) - Operário, bonacheirão e adora o filho Tonecas.
  • Mãe (Linda Silva) - Doméstica, espevitada e adora igualmente o Tonecas.
  • Avó (Luísa Barbosa) - Também adora o neto.

Curiosidades:
  • «As Lições do Tonecas» é adaptada do célebre original de José Oliveira Cosme, que surgiu no Rádio Clube Português, em 1934.
  • A série contou com 174 episódios exibidos, nas noites de quarta-feira, até abril de 1999. Para além do sucesso em Portugal, sendo um dos programa mais vistos da RTP1, conquistava os telespectadores da RTP Internacional e da RTP África.
  • Cada episódio era pautado pela presença de convidados especiais. Ana Bola, Artur Agostinho, Badaró, Excesso, Fernando Mendes, Florbela Queiroz, Herman José, José Raposo, Marco Paulo, Maria João Abreu, Noémia Costa ou Quim Barreiros foram alguns deles.
  • Depois do fim das gravações regulares foram gravados três especiais: «As Férias do Tonecas» (2003), «O Natal do Tonecas» (2003) e «Tonecas Regressa às Aulas» (2004). Também foi criado «O Recreio do Tonecas», que ocupou as tardes da RTP1 durante três meses.
  • O sucesso da série levou ao lançamento de dois CD - «A Tabuada do Tonecas», com letra de Teresa Correia, música de Jorge Quintela e participação do Coro de Santo Amaro de Oeiras; e «As Canções do Tonecas», com música do cantor Toy - e de um livro, «As Novas Lições do Tonecas», edição da TV Guia.
  • Sabe-se também da existência de um moliceiro chamado Tonecas, feito na Murtosa, no distrito de Aveiro, que navegou durante algum tempo na Ria de Aveiro.
  • No episódio 14 do programa da RTP1 «Donos Disto Tudo», exibido no dia 16 de janeiro de 2016, Luís Aleluia recuperou a personagem Tonecas, numa homenagem ao realizador Fernando Ávila, falecido nesse mesmo mês.

Entrevista
Luís Aleluia (Tonecas)


1. Como surgiu a oportunidade de integrar esta série?
Fui convidado pelo Manuel Correia, autor e produtor da empresa Firmádois para fazer um casting para a série «As Lições do Tonecas». O trabalho correu muito bem e foi aprovado pela Direção de Programas, entrando no ar em setembro de 1996.

2. Quem era o Tonecas?
O Tonecas é um rapaz de 9 anos, vivaço é muito brincalhão. Cábula mas desenrascado. Adora futebol. Leva ao desespero o professor que tem uma paciência de santo,  com as respostas despropositadas e inocentes que dá quando interrogado sobre questões curriculares ou é chamado ao quadro para exércitos práticos. Chega sempre atrasado às aulas e inventa as desculpas mais mirabolantes. (risos) Esta é a caracterização do personagem criado pelo José de Oliveira Cosme e que fez as delícias nos programas da Emissora Nacional. Mais tarde, recuperado para a televisão, acabou por alcançar também um o enorme sucesso.

3. Como foi dar vida a esta personagem e trabalhar com o ator Morais e Castro?
Fazer o Tonecas foi um oportunidade profissional que me apareceu e me deu muito prazer, mais ainda porque os resultados obtidos superaram todas as expectativas criadas para a série. A encomenda era apenas de 13 episódios e acabamos por fazer 174 e ficar no ar durante 4 anos consecutivos, com milhões fiéis ao Programa e gratos à RTP pela aposta. O sucesso é da equipa, dos produtores, e de todos os convidados que passaram pelo programa. De todos. Aproveito para homenagear do elenco fixo: os atores: Rui Luís (o pai do Tonecas), a Luísa Barbosa (a avó), a Linda Silva (a mãe) e o meu querido Morais e Castro, um parceiro cúmplice que ensinou muito e apoiou sempre de forma incondicional. E claro, um abraço especial ao realizador Fernando Ávila que faleceu também recentemente.

4. Já passaram vinte anos. Que recordações guarda das gravações?
As melhores. Eram muito divertidas as gravações. Embora o texto fosse uma narrativa fechada havia sempre espaço para uma bucha que por vezes saia e era aproveitada. Gravávamos uma vez por semana e sempre com audiência, ao vivo. As gargalhas eram genuínas porque o público que assistia não conhecia o texto.

5. Porque é que acha que esta personagem ficou 'colada' a si?
A personagem colou-se a mim. Por algum tempo substituiu até o meu nome artístico. Ainda hoje, o Tonecas está muito presente no meu dia a dia. Embora tenha feito outros trabalhos para a televisão, o Tonecas marcou muito a vida das pessoas como um programa de entretenimento de que gostavam e alguns guardam saudades. Tenho muitos fãs jovens que me falam do Tonecas que viam quando tinham 10 anos! Isso é fantástico porque muitos vejo-os nas plateias do teatro. Só por isso teria valido a pena.

6. A reposição da série tem sido pedida por inúmeros telespectadores, mas o pedido não é atendido pela RTP. Porquê?
A RTP não passa porque o produto «As Lições  do Tonecas» tem Direitos Reservados. Ao contrário de outros programas, se a RTP quiser passar terá de negociar os Direitos de retransmissão, a exemplo, aliás, do que se passa com quase todas as séries e programas estrangeiros.





Fotografias cedidas gentilmente por Luís Aleluia:

Revista TV Guia, fevereiro de 1998

 
Revista TV Guia, fevereiro/março de 2000


«As Novas Lições do Tonecas», de Manuel Correia

sábado, 3 de setembro de 2016

Conheça os novos nomes apontados para a «Casa dos Segredos 6»

A uma semana e um dia da estreia, a revista TV Guia tem avançado alguns nomes que estão na calha para integrar o lote de concorrentes da sexta edição da «Casa dos Segredos», incluindo o de Fábio Martins.
Romana de Oliveira, uma transsexual algarvia, é um dos nomes falados para o reality show da TVI, tendo já feito saber da sua inscrição. Maria Ribeiro, relações-públicas da discoteca Luanda, em Lisboa, e Paulo Antão são outros dos candidatos.
Já Natasha Freitas, filha da ex-concorrente Rute Freitas, «queria ir para o Love on Top, mas disseram-lhe da produção que tinha mais perfil para a Casa dos Segredos», conta a mãe da jovem. A referida publicação sabe ainda que Sandro Lima é desejado pela produção, depois da entrada da ex-namorada, Fanny Rodrigues, no «Secret Story» francês.

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Fernanda Serrano recorda Nicolau Breyner (1940-2016)

A atriz Fernanda Serrano recorreu ao Facebook para recordar o seu colega e amigos de vários anos, o ator Nicolau Breyner, que faleceu no passado dia 14 de março, numa altura em que as gravações da nova telenovela da TVI «A Impostora» chegam ao fim.
«Meu querido Nico, acabámos mais um projecto! Agora já sem ti! Sentimos muito a tua falta! Obrigada por tudo o que nos deste ao longos de tantas e tantas novelas que encheram os nossos corações de afecto e orgulho! Um Sorriso e um beijo onde quer que estejas... Fernanda», escreveu.

Saiba quanto ganha Fanny Rodrigues no «Secret Story 10»

Na passada sexta-feira, dia 26 de agosto, Fanny Rodrigues anunciou a sua entrada no reality show francês «Secret Story 10», onde é uma das concorrentes mais populares.
Segundo o Correio da Manhã, a jovem de Oliveira de Azeméis ganha 1000 euros por semana no formato da TF1. Para além disso, a belle portugaise pode arrecadar o prémio final de 100 mil euros, caso seja a grande vencedora.

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Morreu a atriz Anna Paula (1929-2016)

A atriz portuguesa Anna Paula faleceu na manhã de ontem, quarta-feira, dia 31 de agosto, aos 87 anos de idade, na Casa do Artista, em Lisboa, refere a agência Lusa.
Nascida em Braga a 26 de maio de 1929, Anna Paula, nome artístico de Maria Zulmira Pereira Lemos Zeiger, iniciou a sua carreira artística em 1945 como figurante no filme «José do Telhado». Ao longo do seu percurso, passou por várias companhias teatrais, trabalhou em cinema, teatro, rádio e dobragens.
Em televisão, Anna Paula destaca-se em várias telenovelas e séries como «Vila Faia», «Cinzas», «Nunca Digas Adeus», «Baía das Mulheres», «Floribella» ou «Casos da Vida».